Festival Música D’Ponte

Festival Música d’Ponte quer afirmar-se como um evento de excelência no meio cultural, procurando estabelecer “pontes”entre a música erudita e outrosmundos musicais, despertandomentes e lançando novos olhares, levando os intérpretes e o público a embarcar numa viagem apaixonante e envolvente de diferentes culturas e estilos. Nesta segunda edição, o Música d’Ponte associa-se à Capital da Cultura do Eixo Atlântico que o Município de Braga detém. Convidamos a uma participação ativa de todos os munícipes, orgulhosos por ver fortalecer a identidade desta região, sendo testemunhas da sua abertura à modernidade através da criação de plataformas de apoio aos artistas locais e nacionais, promovendo o intercâmbio luso-galaico e, acima de tudo, celebrando a cooperação de municípios do Eixo Atlântico, através da arte. Queremos que este Festival dite o pulsar de um ritmo jocoso e contagiante que nos enfeitice.
abe rábade & orquestra de jazz de espinho
04 de Junho
O compositor e pianista Abe Rábade, afirmou-se ao longo das duas últimas décadas como uma das figuras de referência do Jazz Ibérico e um pedagogo de excelência. Nos numerosos álbuns onde é líder funde virtuosismo instrumental com um eloquente discurso composicional, alicerçando a sua sonoridade na tradição do jazz e nas cores da sua Galiza natal. Para este concerto com a Orquestra de Jazz de Espinho, Abe Rábade irá interpretar as suas composições originais, utilizando-as também como tela para o desenvolvimento improvisacional.
>
Um piano por jorge de sena sofia lourenço & antónio durães
05 de junho
Em tempos idos, Jorge de Sena (2 Nov 1919 // 4 Jun 1978) escrevera: “Se todas as artes são necessárias à vida como o ar que respiro, a música ocupou sempre, entre elas, em relação a mim, um lugar especial. (...) Para os meus maiores (...) eu, interessando-me por música e por letras e artes, estava aberto a todas as catástrofes e nunca evidentemente seria coronel, almirante, director geral de ministério, ou criatura ganhando fortunas, únicas actividades que a família respeitava”. Apesar de se ter imaginado músico ou compositor, o seu destino artístico fora outro, e quão grandioso. Da leitura dos poemas senianos e da execução pianística das peças e compositores que motivaram essa mesma poesia abordar-se-á o seu livro “Arte de Música”, escrito em 1968. As palavras serão vividas musicalmente e acompanhadas de belas peças para piano pela pianista Sofia Lourenço e o pelo ator António Durães.
>
KLA-VIER DUO PATRÍCIA VENTURA & SÓNIA AMARAL
05 de junho
Fundado em 2013, o Kla-Vier Duo é um projeto das pianistas Patrícia Ventura e Sónia Amaral com o objetivo de dar a conhecer o repertório contemporâneo para piano a 4 mãos e/ou 2 pianos. “O nosso projeto tem vindo a desenvolverse com especial enfoque na música contemporânea portuguesa e, por esse motivo, gostaríamos de mostrar o nosso trabalho a um público mais vasto, dentro e fora do país.”
>
sofia escobar & eudoro grade orquestra portuguesa de guitarras e bandolins
05 de junho
O ressurgimento do bandolim “erudito”, que ocorreu na Europa no Séc. XX, tem vindo lentamente a florescer em Portugal. A OPGBAC - Associação Cultural de Plectro, sediada em Gondomar no Centro Cultural Amália Rodrigues, Rio Tinto, contribui com um trabalho de desenvolvimento que, através das suas várias valências, tem como objetivo a dinamização e difusão da música de plectro no panorama musical nacional. Este é um projeto que pretende criar um espaço de divulgação e desenvolvimento técnico uniformizado.
>
cantus d'alma
05 de junho
CANTUS d’Alma explora a essência da música medieval através das Cantigas de Santa Maria (Séc. XIII), com um espectro mais rico de novas sonoridades, utilizando para o efeito a riqueza de contrastes e características sonoras oriundas não só das vozes, mas também de outros instrumentos, como o acordeão, a percussão e o violoncelo. Uma interpretação distinta e singular são o resultado de uma combinação dos arranjos do compositor André Ruiz com uma visão alternativa e única sobre cada uma das cantigas. No Festival “Música d’Ponte” CANTUS d’Alma irá apresentar o seu primeiro trabalho discográfico, intitulado “DISCURSUS” e editado no final de 2020.
>
isabel perez & orquestra filarmónica de braga
05 de junho
Em 2021, celebra-se o 230º aniversário da morte de W. A. Mozart (1756-1791) e a Orquestra Filarmónica de Braga (OFB) apresenta na 2ª Edição do Festival Música d’Ponte um concerto de homenagem interpretando algumas das obras mais marcantes deste grande compositor. Para executar o “Concerto N.23 em Lá Maior, K488” para Piano e Orquestra, a OFB convida uma das mais conceituadas e reconhecidas pianistas da atualidade: Isabel Perez Dobarro, natural de Santiago de Compostela, protagonizando assim mais um estreitar de laços entre duas das mais importantes cidades do Eixo Atlântico. A abertura da opera “Bodas de Fígaro” dará início ao concerto que culminará com a interpretação da “Sinfonia N.41 em Dó maior (Jupiter) K551” na segunda parte. Esta foi a última sinfonia composta por Mozart e é reconhecida como uma das suas melhores composições e considerada uma das grandes obras primas da música clássica.
>
o pequeno jardim do sr. lacerda mário joão alves & joão paulo santos
06 de junho
PELOS 150 ANOS DO NASCIMENTO DE FRANCISCO DE LACERDA De uma semente esperamos somente uma coisa: que no pedaço de terra onde caíu faça brotar uma planta, uma árvore ou uma flor. E as sementes nem são muito exigentes. Umas gotas de água, umas pingas de luz e desatam a perfurar a terra de baixo para cima, como os periscópios dos submarinos mais bonitos. Mas o Sr. Lacerda está prestes a descobrir que, provavelmente, existem outros nutrientes capazes de tornar as folhas, caules e pétalas verdadeiramente únicas e especiais. Ei-lo que olha o pequeno vaso, aguardando impaciente a chegada do primeiro pontinho verde.
>
kythar 12.6 Miguel amaral & pedro rodrigues
06 de junho
Guitarra Portuguesa, Guitarra Clássica e Johann Sebastian Bach. Eis-nos perante o universo do recital Guitarras Bem Temperadas. Junção aparentemente distante. “Fruto talvez da nossa vontade de trazer cada vez mais música para os nossos instrumentos, mas sobretudo, fruto de uma das mais belas características da obra genial em questão: o seu carácter universal, a sua pluralidade.” A humildade com que se deixa apropriar. A generosidade com que se sente em casa numa combinação instrumental tão peculiar no que toca à música em questão. A partir daqui há todo um mundo sonoro em descoberta. As semelhanças com o cravo, com o alaúde e toda uma porta aberta para que esta música se possa ouvir, mais uma vez, como uma novidade.
>
QUINTETANGO
06 de junho
Nascido da sinergia de cinco músicos, professores na Escola Artística do Conservatório de Música de Coimbra, QUINTETANGO apresenta-se numa aproximação à̀ formação artística mais consagrada de Astor Piazzolla: Quinteto Tango Nuevo. André Madeira Guitarra, Artur Fernandes Concertina, Catarina Peixinho Piano, Hugo Brito Violino, Miguel Calhaz Contrabaixo.
>
JOÃO PAULO SANTOS, ANA FRANCO & ANA FERRO
06 de junho
Um programa de concerto nasce sempre de razões mais ou menos aleatórias. Desta vez os estímulos foram caindo em cima da mesa dando forma a uma curiosa mistura.
>
agora muda tudo maria joão nuno côrte-real & josé luís peixoto ensemble darcos
06 de junho
AGORA MUDA TUDO é um ciclo de canções para voz e ensemble com música de Nuno Côrte-Real e poemas de José Luís Peixoto, interpretado pela cantora Maria João e o Ensemble Darcos. Em 2018 a SPA atribuiu-lhe o prémio para melhor música erudita do ano. Mais do que um cruzamento entre distintas áreas artísticas e estilísticas, este projeto é um encontro entre autores portugueses que, a partir da sua contemporaneidade individual contribuem para a construção de uma identidade lusófona. Buscando nos versos do escritor timbres e sonoridades modernas, mas deixando espaços para a improvisação, técnica tão característica do estilo e carácter da cantora, este ciclo de canções viaja por territórios tão distintos como o jazz, a música contemporânea, o tradicional e o clássico. AGORA MUDA TUDO foi lançado em CD pela Odradek Records em 2019 e desde então tem recebido as melhores críticas levando à sua projecção internacional.
>